Bragança Paulista é referência em cirurgia de catarata

por Alexandre Moretti

A cidade terá dois novos e modernos aparelhos que entram na luta contra a doença que provoca cegueira e atinge até 120 mil novas pessoas no Brasil todos os anos.

A catarata é um dos problemas de visão que mais preocupam os especialistas de todo mundo. Caracterizada pelo escurecimento do cristalino, lente natural do olho, com importante papel na formação da imagem, a doença é a principal causa de cegueira reversível acima dos 55 anos no mundo. Calcula-se que em 2020, 40 milhões de pessoas terão catarata ao redor do planeta. Só no Brasil, são diagnosticados entre 100 e 120 mil novos casos todos os anos. A boa notícia é que Bragança Paulista tem recursos de ponta, ao alcance do cidadão comum, para tratar o problema.

A Clínica Regional de Olhos (www.cobp.com.br), referência em oftalmologia na cidade e região, acaba de adquirir dois novos e modernos aparelhos utilizados na cirurgia da catarata, única maneira de contornar o problema.  Um deles, que já se encontra no local, é o Sovereign. “Ele possui um sistema que protege melhor a córnea de possíveis danos durante a cirurgia, fazendo com que o procedimento seja mais seguro”, diz Dr. Alexandre Moretti, oftalmologista da Clínica Regional de Olhos.A cirurgia de catarata consiste na substituição do cristalino danificado por uma lente intraocular. A aspiração do cristalino geralmente é feita por ultrassom que coloca em risco a córnea. No caso do Sovereign, há um sistema elíptico de vibração que ajuda a fazer isso, economizando o uso de ultrassom.

O outro aparelho, que chega à clínica nos próximos dias, é o Galilei G6,lançado há um mês no 31º Congresso da Sociedade Europeia de Catarata e Cirurgia Refrativa (ESCRS), realizado em Amsterdam, na Holanda. “É um dos primeiros do Brasil e proporciona um dos métodos mais precisos para o cálculo do implante intraocular que substitui o cristalino na cirurgia de catarata”, diz Dr. Alexandre Moretti.

Mais de 80% dos casos de cataratas estão relacionados ao envelhecimento do olho. É comum, no entanto, as pessoas confundirem o problema com pterígio, que é uma membrana que cobre a córnea, também dificultando a visão, e que precisa ser retirada através de uma “raspagem”.

 

Em algumas pessoas, a catarata pode induzir à miopia, melhorando a visão de perto. No entanto, piora muito a visão de longe.  Felizmente, com o aperfeiçoamento das técnicas de cirurgia e dos implantes intraoculares, uma pessoa operada de catarata pode enxergar muito melhor do que enxergou a vida toda. “Isso acontece porque os implantes mais modernos também corrigem problemas como miopia, hipermetropia e astigmatismo”, diz Dr. Alexandre Moretti.

 

Galilei G6, por exemploque chega a Bragança, é um desses aparelhos que aperfeiçoaram a técnica de implante. Ao analisar 220 mil pontos da córnea por conta de uma tomografia associada a laser, ele calcula precisamente o grau de lente a ser introduzida no olho do paciente.

 

Dr. Alexandre Moretti é oftalmologista formado pela Universidade São Francisco (USF), de Bragança Paulista (SP). É especialista pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia e responsável técnico pela Clínica de Olhos Regional, na mesma cidade. É, ainda, membro da Academia Americana de Oftalmologia.






Nova Enfoque
© 2017 - Todos os direitos reservados | Nova Enfoque
VISION