UNIVERSO DA BOLA

Com Enivaldo Eiras

                                                                        O CAMPEÃO VOLTOU!

 Nos últimos anos o Mengão no Brasileirão esteve sempre no meio da tabela, e olha que chegou a lutar muito pra não cair. As dívidas contraídas por anos de má administração do clube, que chegou até a demitir o ídolo Zico, chegaram a números astronômicos. Até que em 2013 foi eleito presidente o Bandeira de Mello, que com muita sabedoria e dedicação revolucionou o clube sanando dívidas e preparando o clube para o futuro, que agora todos podem ver os resultados na presidência do Rodolfo Landim.

Com as dívidas sendo sanadas e com dinheiro em caixa, vieram contratações de peso, que somadas à grandeza do clube de maior torcida do Brasil, tudo começou a mudar. E o Mengão do Zico da década de 80 começou a ressurgir com mais força ainda. Mas, apesar da grande estrutura montada, faltava ainda um algo a mais na comissão técnica. O consagrado Abelão, que era disputado por grandes clubes, preferiu o Mengão. Tinha tudo para fazer o time decolar, mais quase que colocou tudo a perder.

Até que um certo português, que até então teve grande sucesso apenas no Benfica, chegou meio discreto e contestado por aqui. Quase foi contratado pelo Galo, mas acabou mesmo no time do ídolo Galinho de Quintino. E em menos de seis meses o Mengão virou campeão da Liberta e do Brasileirão. Em pouco tempo de Brasil, e muito contestado por alguns, ou invejado por outros, e até endeusado por muitos, o “cabeleira portuguesa” está contri­­­­­buindo grandemente para o futebol brasileiro.

As duas importantes conquistas em menos de 24 horas comprovam que é possível vencer jogando bonito, pra frente e alegremente, totalmente diferente da nossa seleção do retranqueiro Tite. E muito diferente de alguns consagrados treinadores brasileiros que se vangloriam por títulos conquistados, mas com esquemas táticos defensivos e medrosos. Assim como Jorge Sampaoli, Jorge Jesus encanta o Brasil. A diferença entre esses dois “Jorges” são o elenco a disposição e os títulos conquistados.

É notório que nos últimos anos o nosso futebol ficou chato e pragmático. Muitos treinadores por aqui, sejam novatos ou veteranos, com algumas raras exceções, transformaram nosso respeitado futebol pentacampeão do mundo pra bem pior. Neste século poucas equipes encantaram os torcedores, bem diferente do século passado onde equipes jogavam pra frente, com alegria nos pés, sem aquela preocupação principal de não tomar gol, de garantir o 1x0 em casa, ou de empatar fora. Nós brasileiros já não aguentamos mais. Os “Jorges”, principalmente o Jesus, estão mostrando que o futebol pode ter conquistas jogando bonito e com alegria. O encanto que nos cativaram de outras gerações. A esperança está voltando, que nossa Seleção nos surpreenda...

EM TEMPO: E o que será dos clubes paulistas em 2020? Pode parecer mais do mesmo, mas o planejamento do Verdão tem mais dúvidas do que certezas até o momento. E pode “sobrar” para o “intocável” Mattos e o “ídolo” Felipe Melo, e também para o Mano que nem bem chegou. O Santos tem que mostrar que existe vida depois do Autuori e do Sampaoli, o difícil é compreender a cabeça Peres e dos que “remam” contra. No Timão toda esperança está na capacidade do Tiago Nunes, e só. E no Tricolor vai depender das preferências e postura do Dani Alves e das outras estrelas. *E morre Cilinho, um treinador que estava à frente do seu tempo. Aos 80 anos foi morar no céu. Os “Menudos” do Morumbi ficaram órfãos do seu grande “pai”. E todos nós amantes do futebol bem jogado também. Que Deus o tenha.

PRA MEDITAR: “E com o tempo constatamos que somente o Senhor não nos decepciona... e que quase tudo na vida necessita de um plano B ou C... com exceção da oração, que resolve toda e qualquer situação..!!” Abraços ENIVALDO EIRAS!




Nova Enfoque
© 2020 - Todos os direitos reservados | Nova Enfoque
VISION